NÃO EXISTE RACISMO NO BRASIL, NEGÃO ( versão reduzida )







Textos estão protegidos pelas Leis brasileiras de Direito Autoral. É obrigatório que se solicite permissão para ser montado. Não fazê-lo será passível de ações legais. Para solicitação, falar com o autor DURVAL CUNHA  pelo e-mail: altamirando66@hotmail.com


AUTOR
Durval Cunha
FACEBOOK: https://www.facebook.com/durval.cunha.98
E-MAIL : altamirando66@hotmail.com . 

CEL:

VIVO   : 11 - 99746-2374


NÃO EXISTE RACISMO NO BRASIL, NEGÃO!!
 
 
 
 
PERSONAGENS:
 
 
GOVERNADOR
DUÍLIO
SECRETÁRIA ( Dona Neusa )
FRANCISCO
FILHA DO GOVERNADOR
SEGURANÇAS
 
 
 
           Gabinete do Governador.  Foto dele na parede com seu nome e seu cargo, abaixo uma grande faixa de pano escrito “ Zumbi, rei do Brasil!!”  Ele entra em cena. Está irado, sua secretária vem logo atrás aflita com seu nervosismo.
 
GOVERNADOR
 
Um preto!! Um preto!! Só um!! Será que é pedir demais??  Um preto?!
 
SECRETÁRIA
 
Pelo amor de Deus Governador, tem repórter aí fora!! Eles vão acabar ouvindo.  O Duílio prometeu que ia dar um jeito.  Ele já deve estar chegando...
 
GOVERNADOR (Dando um murro na mesa)
 
Uma ova!! Se estivéssemos na Escandinávia, na Islândia podia-se até entender. Mas no Brasil e não me conseguem um único preto??  Eu boto todos vocês no olho da rua!!
 
SECRETÁRIA
 
Por  favor Governador, fala um pouco mais baixo...
 
GOVERNADOR
 
Onde é que já se viu? Como é que vou render  homenagens a raça negra sem nenhum preto presente? Ao invés de limpar a minha barra, vou me sujar de vez! Isso sim que é um serviço de preto!
 
SECRETÁRIA
 
Pelo amor de Deus  Governador!!  Se alguém ouve uma frase dessas...O senhor já está sendo taxado de racista no Brasil inteiro.  Fala um pouquinho mais baixo...Nós temos que inverter a situação. Mostrar que o senhor é um benfeitor das minorias.
 
GOVERNADOR
 
Assim? ( Aponta para a faixa ) Homenageando alguém que eles mau conhecem? Eu preferia “ Pelé  Rei do Brasil “ . Desse todos se lembram.
 
SECRETÁRIA
 
 Mesmo ele não é consenso na comunidade negra.
 
GOVERNADOR
 
E negro lá tem consenso em alguma coisa? Eles só seguem juntos na mesma direção em desfile de carnaval. E ainda assim atravessam no samba.
         Ouve-se a voz de alguém cantando: “ Eu sou negão / Eu sou negão... “ e tocando um instrumento de percussão.
 
SECRETÁRIA
 
Deve ser o Duílio. Ele encontrou alguém. Um preto! Digo.., um afro-sulamericano.
 
GOVERNADOR
 
Mas será que ele é bem escurinho? Um pardinho não vai resolver. Vão dizer que é branco.
 
         Entra Duílio fantasiado de jamaicano. Cara pintada de preto, dreadlock  e roupas de acordo. Canta e dança ainda mais um pouco. Ao terminar o Governador vai até ele e passa o dedo em seu rosto pra conferir a tinta preta.
 
GOVERNADOR (Olhando a mancha preta no dedo )
 
Que palhaçada é essa Duílio?
 
DUÍLIO
 
Foi o único jeito. Nenhuma liderança negra aceitou participar. Querem distância do senhor. Nem deixaram falar o que seria o projeto “Zumbi, rei do Brasil.”
 
 GOVERNADOR
 
Não é suficiente um impeachment por racismo? Você quer acrescentar fraude, falsidade ideológica , prevaricação...
 
DUÍLIO
 
Nesse caso faremos uma campanha pró-negro sem negro.
 
GOVERNADOR
 
Ta maluco? Quer que eu passe recibo?
 
SECRETÁRIA
 
Nem pensar! A oposição já está recolhendo assinaturas. A nossa maioria é apertada. No primeiro sinal de umidade eles abandonam o barco. Não podemos perder um só minuto, a opinião pública precisa de uma resposta.
 
DUÍLIO
 
O senhor devia ter pesado as conseqüências antes de retrucar.
 
GOVERNADOR
 
Eu perdi a cabeça! Ainda mais diante de uma insinuação descabida como aquela. Imagine. Minha filha namorando um negão. Me deu vontade de esganar a repórter.
 
DUÍLIO
 
Desculpe senhor Governador , mas pelo que fui informado...bom...prefiro não me meter em assuntos familiares...
 
GOVERNADOR
 
Melhor! Assim a sua família não sofre com o ‘desemprego’ de um dos seus .
 
         Toca o telefone. Secretária atende.
 
GOVERNADOR
 
Duílio me faça uma lista de todos os funcionários negros que temos aqui no prédio hoje. Esses, pelo menos, eu trago no cabresto.
 
DUÍLIO
 
Já fiz isso.
 
GOVERNADOR
 
E então?
 
DUÍLIO
 
Não temos nenhum. Só a nutricionista. E ela, quando muito, é mulata.
 
GOVERNADOR
 
Ta vendo?! Isso sim é uma coisa racista. Temos que dar oportunidade pras minorias. Todas elas! Hoje a gente precisa de um preto, amanhã pode ser um índio, um favelado, um inválido, um viado...
 
SECRETÁRIA
 
Desculpe Governador, mas é o Jarbas da segurança. Tem um homem exigindo uma audiência com o senhor.
 
GOVERNADOR
 
Nem pensar! Dispensa. Se não tomar alguma providência, na semana que vem é o vice que vai estar nessa sala.
 
         Secretária continua ao telefone.
 
DUÍLIO
 
Já sei! Tive uma ótima idéia.
 
GOVERNADOR
 
Que idéia?
 
DUÍLIO
 
O senhor vai ter um enfarte.
 
GOVERNADOR ( Exasperado )
 
Com essa assessoria me admira não ter tido uns três...
 
DUÍLIO
 
Nós vamos simular.  Não é da índole do brasileiro tripudiar em cima de um enfermo. Teremos criado um fato novo.  Suficientemente forte para abafar as acusações de racismo.
 
GOVERNADOR
 
Genial! O problema é que simular um enfarte não é tão fácil quanto pintar a cara de preto. É o mesmo risco da sua fantasia de jamaicano. Podemos ser descobertos.
 
SECRETÁRIA
 
Desculpe Governador mas o homem está irredutível... insiste em falar com o senhor.
 
GOVERNADOR
 
Tenha santa paciência dona Neusa! ( Pensa um pouco ) De que cor é o homem?
 
SECRETÁRIA
 
Alô Jarbas, de que cor é esse homem. (...) Ele disse que é negro.
 
GOVERNADOR ( Indo tirar o telefone das mãos dela )
 
Eu quero ele! Jarbas é esse meu homem! Tragam-no aqui , estou atrás dele faz tempo! Entendeu?! Agora!
 
DUÍLIO
 
Não sei se um cidadão comum vai adiantar.
 
GOVERNADOR
 
Pelo menos é preto! Já é um começo.
 
         Ouve-se o som de alguém apanhando e gritando.
 
SECRETÁRIA
 
Nossa... O que é isso?
 
DUÍLIO
 
Gozado...parece alguém apanhando.
 
GOVERNADOR
 
Não diga sandices. Se o sujeito não for representante de movimento nenhum, nós vamos nomeá-lo presidente do movimento “Zumbi, rei do Brasil”.
 
SECRETÁRIA
 
Ótima idéia. Eu vou criar um currículo impecável pra ele, metade verdade metade inventado. Assim ele vai parecer maior do que é.
 
GOVERNADOR
 
Se for um completo pé-rapado a gente usa isso a favor dele. ‘Alguém que saiu do nada e venceu na vida’. Será que ele fala um português razoável? Se for do tipo que diz: ‘pobrema’ vai ficar difícil.
 
SECRETÁRIA
 
Talvez seja até melhor, um tipo exótico vai desviar ainda mais a atenção.
 
GOVERNADOR
 
A primeira coisa é convencê-lo  a aceitar o cargo...
 
         Entra Jarbas, o segurança.
 
JARBAS
 
Não adianta Governador. O cara é marrento!
 
GOVERNADOR ( Não entendendo )
 
Do que você está falando? Cadê o homem?
 
JARBAS
 
Mas é dele que estou falando.  Já tomou meia dúzia de safanão e ainda diz que não roubou nada!
 
GOVERNADOR ( Horrorizado )
 
Vocês bateram nele???
 
JARBAS  ( Confuso )
 
Como assim? Não era pra bater?
 
SECRETÁRIA
Estamos perdidos...
GOVERNADOR
Claro que não imbecil , seu lunático!
JARBAS
Mas ele tava dando alteração e o senhor falou daquele jeito... O senhor não quer que a gente aperte mais um pouco? Vai ver  ele confessa , aquilo não tem cara de ser boa coisa.
GOVERNADOR
TRAGA ELE AQUI, AGORA!!! EU FALEI, AGORA!!!
         Jarbas assustado, dá uma ordem pelo rádio que tem na lapela. Entram dois seguranças trazendo Francisco pendurado num pau de arara.
GOVERNADOR ( Horrorizado )
Tirem ele daí! Bando de imbecis! Eu não acredito...eu não acredito....
         Os seguranças soltam Francisco e saem resmungando.
GOVERNADOR ( Enquanto os seguranças estão saindo)
Degenerados! Vocês não servem nem pra tomar conta de banheiro de pracinha! ( Para Francisco ) Meu senhor eu não tenho palavras pra me desculpar. Mas saiba que esse equívoco lamentável vai ser punido severamente. Vou colocar essa corja no olho da rua hoje mesmo! Aqui eles não trabalham nem mais um minuto! Mas qual é a sua graça?
FRANCISCO
Meu nome é Francisco.
GOVERNADOR
Veja bem Francisco...
FRANCISCO ( Interrompendo )
Senhor Francisco, por favor....
GOVERNADOR
Sim, claro... Veja bem , senhor Francisco. Faço questão de indenizá-lo pelo dano moral que sofreu.
FRANCISCO
Eu também! Mas isso a gente discute em juízo, depois de passar-mos pela delegacia. Posso usar seu telefone?
         Francisco vai em direção ao telefone e o Governador se coloca entre ele.
GOVERNADOR
Que isso senhor Francisco? Vamos conversar primeiro. Podemos chegar a um acordo, uma solução mais compensadora.
FRANCISCO
A única coisa que quero no momento é justiça! E isto não é tarefa do executivo e sim do judiciário!
GOVERNADOR
Eu entendo a sua revolta.  E está coberto de razão . o senhor parece um homem inteligente e com certeza nós vamos nos entender... Duílio, por favor, traga alguma coisa para o senhor Francisco beber e se recompor. Dona Neusa pode ir providenciando aquele assunto que ficou em aberto.
         Saem Duílio e a Secretária.
GOVERNADOR
Como o senhor bem sabe a nossa justiça é muito lenta e um processo por agressão dificilmente iria prosperar.
FRANCISCO
Agressão?! Acho que o senhor esqueceu de acrescentar seqüestro, cárcere privado, tortura e pra arrematar...RACISMO!!
Governador ( Olhando em volta temendo ser ouvido )  
Não me diga uma coisa dessas, pelo amor de Deus! E depois...está exagerando. Que estória é essa de seqüestro e cárcere privado? O senhor é que veio até aqui...
FRANCISCO
Mas depois eu quis sair e eles não deixaram... E ainda me levaram para uma salinha dizendo que lá eu lembraria até da identidade de meu verdadeiro pai...
GOVERNADOR
Eles disseram isso?
FRANCISCO
Disseram! E ainda me chamaram de ‘preto safado’ uma dezena de vezes.
GOVERNADOR
Eles o chamaram de ‘afro-sulamericano safado’ várias vezes?
FRANCISCO
Exatamente. Me chamaram de ‘preto-safado’!
GOVERNADOR
Eu estou estupefato!! Ao saber que aqui, nesse baluarte da democracia nacional, uma pessoa da etnia negra, foi chamado de afro-sulamericano safado. Eu estou chocado... ( Simula emoção ) Perdoe se me faltarem as palavras...
FRANCISCO
Creio que lhe falte também a memória. Pois ao saber que sua filha namora um negro, o senhor disse coisa bem parecida.
GOVERNADOR ( Irado )
Minha filha não namora preto nenhum! ( Se recompondo ) Digo...a minha filha não tem nenhuma relação afetiva com nenhum afro-sulamericano. E se tivesse seria pra mim motivo de satisfação. Eu tenho pela raça um carinho sincero. Inclusive , não sei se o senhor sabe, mas eu sou até filho de Iansã.
FRANCISCO
Filho de Iansã?! Mas durante a campanha eleitoral o senhor era evangélico.
GOVERNADOR ( Disfarçando )
Mas não mudemos de assunto, senhor Francisco, não mudemos de assunto.  O senhor foi vitima de uma grande injustiça e merece uma reparação.
         Entra Duílio com um copo de bebida e entrega a Francisco.
FRANCISCO ( Após cheirar a bebida )
Desculpe mas não bebo cachaça, meu senhor.
GOVERNADOR ( Irritado )
Você trouxe cachaça??
DUÍLIO
Trouxe...o senhor mesmo não diz sempre que pobre...
GOVERNADOR ( Interrompendo )
Chega! ( Para Francisco ) Tem dia que é melhor nem levantar da cama. ( Para Duílio ) O senhor Francisco é uma pessoa de cerimônia. Merece uma bebida de acordo. Um uísque ou um bom vinho.
DUÍLIO
Sem dúvida , sem dúvida. Foi uma falha da minha parte. Desculpem...
GOVERNADOR
Traga um uísque. Doze anos, o melhor que tiver. Imagine...Oferecer cachaça a uma pessoa ilustre. No meu barzinho tem até um Romanée-Conti 1971, que ganhei de um empreiteiro. Um vinho Rei...e o Duílio te oferece cachaça.
FRANCISCO
Pois eu vou aceitar.
GOVERNADOR
O uísque?
FRANCISCO
Não. O   Romanée-Conti 1971.
         Governador toma um susto. Olha para Duílio que num só gole toma a cachaça.
GOVERNADOR ( Constrangido )
Veja bem , senhor Francisco, é uma bebida de exagerado requinte e requer um paladar igualmente requintado. Alguém sem trato na arte pode achar simplesmente que ele é muito azedo e sem açúcar.
FRANCISCO ( Desafiador )
Pelo que estou entendendo, esse seu vinho está acima  do paladar de um ‘afro-sulamericano’?
GOVERNADOR
De forma alguma... Não foi isso que eu quis dizer. Por favor, não me entenda mau...
FRANCISCO
Quem sabe na presença do Juiz a gente consiga se entender melhor.
GOVERNADOR  ( Amedrontado )
Não-não! O que é isso? Duílio traga a garrafa! Não faz mau algum oferecer um cálice para o senhor Francisco. Não existe melhor maneira para iniciar uma grande amizade.
         Duílio sai.
GOVERNADOR
Mas percebo que o senhor está mais calmo.  Mais aberto ao diálogo.
FRANCISCO
Impressão sua.
         Duílio volta trazendo a garrafa numa bandeja acompanhado por um cálice.
GOVERNADOR
Aí está... As vinhas do paraíso não poderiam produzir um vinho melhor.
FRANCISCO ( Pegando a garrafa )
Mas que bela garrafa... E como pesa.
GOVERNADOR
É o vidro que é espesso. Pra guardar com segurança um liquido tão precioso.
FRANCISCO
Mas será que ela é inquebrável?
GOVERNADOR
Provavelmente.
         Francisco bate com a garrafa no chão.
GOVERNADOR ( Aflito )
Nãããooo!!!
FRANCISCO
Calma. Só tô testando o casco. ( Bate novamente ) É forte mesmo.
GOVERNADOR
Por favor, senhor Francisco!!
FRANCISCO
Mas não é inquebrável?
GOVERNADOR
Não vamos facilitar! Der repente o diabo atenta... Duílio, pelo amor de Deus, abra a garrafa e sirva um cálice pro senhor Francisco.
         Duílio pega a garrafa com todo o cuidado , conferindo se ela não está rachada.
GOVERNADOR
Pois muito bem , senhor Francisco. Creio estar em divida com o senhor..
FRANCISCO ( Pega o cálice, cheira o vinho )
Pra dizer o mínimo... ( Joga um pouco do vinho no chão )
GOVERNADOR ( Chocado com a cena )
Mas o que diabos está fazendo?
FRANCISCO ( Cínico )
É pro santo.
GOVERNADOR
Onde já se viu santo beber  Romanée-Conti??
FRANCISCO
O senhor acha mais adequado um Sangue De Boi?
DUÍLIO
Deixa pra lá Governador. Não adianta chorar pelo vinho derramado.
         Serve mais uma dose. O Governador corre a pegar a rolha e tapar a garrafa.
FRASNCISCO ( Provando o vinho e fazendo cara feia )
Ta azedo. ( Pra Duílio ) Faz o seguinte, mistura  com  um pouco de  açúcar e gelo picado. ( Coloca o cálice de volta no lugar ) Mas o senhor falava de reparação. Qual seria?
GOVERNADOR ( Olhando para o cálice e fazendo o sinal da cruz )
Bom...o que posso fazer para reparar tamanha afronta, é nomeá-lo presidente do projeto “ Zumbi, rei do Brasil”.
FRANCISCO
Zumbi Rei do Brasil...
GOVERNADOR
Isso mesmo... farei publicar no diário oficial. Será um cargo remunerado e o com status de secretaria.
FRANCISCO
Não sei ...mas acho que estou gostando da idéia...
GOVERNADOR
O senhor é um homem inteligente, tem plenas condições de exercer o cargo. Os afro-sulamericanos precisam  de uma voz forte no Estado. É um cargo disputadíssimo senhor Francisco. Na certa cairei em desgraça junto as lideranças negras entregando ele ao senhor. Estavam se digladiando pra conseguir esse cargo, na certa vão passar o dia me telefonando exigindo uma explicação.
         Entra a Secretária.
FRANCISCO
Supondo que eu aceite...supondo apenas... Qual seria a minha atribuição?
GOVERNADOR
Desfazer o mau entendido de que fui vitima. Mostrar que eu não sou um algoz e sim um defensor das minorias. Praticamente um Pai Tomás Branco.
FRANCISCO
Sei...além de filho de Iansã?!
GOVERNADOR
Melhor omitir esse detalhe...sabe como é...pode pegar mau entre os evangélicos. Não que eu esteja renegando a minha fé.... De forma alguma. Faço sempre minhas obrigações, toda sexta-feira deixo  três rosas vermelhas, um maço de cigarros, uma garrafa de champanha e uma vela preta e vermelha numa encruzilhada.
FRANCISCO ( Irônico )
Sei... e Iansã nunca reclamou de ser tratada como Pomba-Gira?
GOVERNADOR ( Não entendendo )
Como?!
FRANCISCO
Nada...deixa pra lá.  Eu aceito!
GOVERNADOR
Maravilha! Dona Neusa comunique a imprensa imediatamente!
SECRETÁRIA
É pra já. Preparo uma coletiva?
GOVERNADOR
Melhor não. Só uma sessão de fotos. Precisamos primeiro redigir um discurso de improviso para o senhor Francisco.
DUÍLIO
Eu já tenho alguns modelos pré-prontos. É só adaptar.
         Secretária sai de novo.
FRANCISCO
Posso fazer uma pergunta?
GOVERNADOR
Claro.
FRANCISCO ( Apontando para Duílio )
Porque esse sujeito está fantasiado de negro?
GOVERNADOR ( Sem saber o que responder )
Ora...porque...porque... Boa pergunta! Por que  você está fantasiado de afro-sulamericano, DUÍLIO?
DUÍLIO
E-eu?!
GOVERNADOR
Não é de você que estamos falando?
DUÍLIO
Ora...a explicação é simples...simplerrima...
GOVERNADOR
Sei...e qual seria?
DUÍLIO
Teatro! Uma peça. Eu faço um cantor de reggae.
FRANCISCO
Ah é?! E porque não escolheram um ator negro?
DUÍLIO ( Sarcástico )
Ora...um negro...no teatro?
FRANCISCO ( Horrorizado )
Como é que é??
GOVERNADOR
Não diga sandices Duílio!  Ele se expressou mau, senhor Francisco. Não leve em consideração as coisas que esse celerado  diz. Ele está tapando um buraco. Só isso.
FRANCISCO
Pois está me cheirando a racismo.
GOVERNADOR ( Batendo na mesa )
Não existe racismo no Brasil, negão! ( Se recompondo ) Digo...,senhor Francisco. Quando muito, existe uma ligeira intolerância , que o senhor, a frente desse projeto ( Aponta para a faixa) vai minorar.
FRANCISCO
Será?
GOVERNADOR
Com toda a certeza. É claro que teremos , como se diz, de botar os pingos nos ‘is’.
FRANCISCO
Como assim?
GOVERNADOR
Bem...como o senhor está  ingressando na minha folha de pagamento, terá também algumas obrigações, meu caro...Francisco.
FRANCISCO ( Pegando o cálice de vinho )
E quais seriam?
GOVERNADOR ( Pega o cálice das mãos dele e coloca de volta na bandeja )
A principal delas é me dedicar uma fidelidade canina. Aqui se reza por uma cartilha.  A minha!
         Telefone toca, Duílio atende.
FRANCISCO
Sei...
GOVERNADOR
Eu preciso desesperadamente inverter a situação em que me encontro. Terá que seguir a risca o seu papel. Estamos entendidos?
FRANCISCO
Perfeitamente...Governador, digo, senhor Governador.
GOVERNADOR
Agora estamos falando a mesma língua. Sabe Chico, se agir direito vai ter muito a ganhar ficando do meu lado.
DUÍLIO
Desculpe interromper, mas sua filha está aí. Ela quer falar com o senhor.
GOVERNADOR 
Nem pensar! Diga que estou ocupado, que eu ligo depois.
DUÍLIO
Não dá. Dona Maria Luiza já está entrando.
         Entra Maria Luiza, filha do Governador.
GOVERNADOR
Por favor Maria Luiza! Estou numa reunião importante, você não pode ir entrando assim.
MARIA LUIZA ( Olhando surpresa para Francisco )
Ticão?! O que você está fazendo aqui??
GOVERNADOR ( Surpreso )
Ti-ticão?! Como assim? Vocês se conhecem?
FRANCISCO
Nos conhecemos. Aliás, ela é o assunto que me trouxe aqui.
MARIA LUIZA ( Indo até ele )
Papai te tratou mau?
FRANCISCO
Não exatamente...
GOVERNADOR ( Para Duílio )
Mas que diabos ta acontecendo aqui, Duílio?
DUÍLIO
Não tenho a menor idéia.
MARIA LUIZA ( Pegando a mão de Francisco. Decidida )
Pois é muito simples. O Ticão é meu namorado.
         O Governador senta-se na poltrona com o choque. Serve-se de uma dose de vinho. Toma num gole só.
FRANCISCO
Calma amor. Eu e seu pai já nos acertamos. Até me convidou pra trabalhar aqui.
MARIA LUIZA ( Surpresa )
Ah é? Sério mesmo?
DUÍLIO
Ele vai nomeá-lo presidente do projeto “Zumbi, rei do Brasil”.
MARIA LUIZA
É verdade papai?
         O Governador se limita a tomar mais uma dose.
DUÍLIO
Mas é claro! A Neusa foi chamar a imprensa para uma sessão de fotos.
MARIA LUIZA
Eu custo a crer.
         Governador passa mau. Chama Duílio para perto dele.
GOVERNADOR ( Solta a gravata, perdendo o fôlego. Apenas Duílio consegue ouvi-lo )
Um preto! Duílio! Um preto...pegando minha filhinha.
DUÍLIO
Acho que ta sim, senhor Governador.
         Entra a secretária. De inicio sorridente, depois, vendo Maria Luiza abraçada a Francisco, muda para um ar de espanto. Corre para perto de Duílio.
SECRETÁRIA
Que diabo é isso?
DUÍLIO
Ele é namorado dela.
SECRETÁRIA ( Animada )
Mas que maravilha! O fotógrafos já estão vindo.  Vai ser ótimo verem a filha do Governador com um...um... ( Para percebendo que ia falar besteira )

MARIA LUIZA
Um o quê??
SECRETÁRIA
Um...um homem tão distinto.
GOVERNADOR ( Para Duílio, voz baixa )
A minha filhinha Duílio...Será que já chegaram as vias de fato?

DUÍLIO
Claro que não! Como diz minha vozinha, não devemos de início esperar o pior.
SECRETÁRIA
Estão namorando a muito tempo?
MARIA LUIZA ( Animada )
Praticamente morando juntos.
DUÍLIO  ( Para o Governador )
Sabe como é...Vovó tá velhinha coitada...não sabe o que diz.
GOVERNADOR
Chama o Jarbas! Pra baixar o pau!! Eu quero ver esse preto no tronco!! De onde ele nunca devia ter saído!
MARIA LUIZA
O que foi que disse papai? A gente não consegue te ouvir.
DUÍLIO
Teu pai está emocionado. Ele disse: “ Eu tenho um sonho. Eu tenho um sonho que um dia nas colinas vermelhas da Geórgia os filhos dos descendentes de escravos e os filhos dos descendentes dos donos de escravos, poderão se sentar junto á mesa da fraternidade.” Foi o que ele disse...
         Maria Luiza abraça Francisco emocionada.
SECRETÁRIA ( Para Duílio )
Mas isto é um discurso do Martin Luther King!
DUÍLIO
Você conhece algum do Zumbi?
SECRETÁRIA ( Para o Governador )
Vai ser a solução, senhor Governador. Vai calar a boca dos críticos.
GOVERNADOR
Eu quero morrer! Eu quero morrer!
SECRETÁRIA
Não diga isso, senhor Governador. Aí assume o vice e ele tá fechado com a oposição.
GOVERNADOR ( Ofegante, tendo um troço )
Duílio...chama o Jarbas...ele deve conhecer um bom lugar pra desovar o corpo...Duílio....
SECRETÁRIA
Bom, já que temos uma sessão de fotos com a imprensa podemos aproveitar e contar a novidade. Mostrar a todos que a filha do Governador namora um afro-sulamericano e formam uma linda e feliz família multirracial.
GOVERNADOR ( Ofegante, agarrando Duílio )
Se não quer chamar o Jarbas , me arranje um canivete! Eu mesmo arranco os bagos dele fora!   
DUÍLIO
Pelo amor de Deus, Governador! Controle-se. Toma mais um vinho. ( Serve uma dose e praticamente o obriga a beber) Nós não temos opção.
MARIA LUIZA
O senhor ficou feliz papai? Com a novidade?
GOVERNADOR
Muito...Você não tem idéia de quanto...  ( Para Duílio ) Vou mudar meu testamento hoje mesmo....quero essa daí catando latinha depois que eu morrer....
MARIA LUIZA
Tico! Sê contou ?
FRANCISCO
Claro que não.
MARIA LUIZA
Então vamô aproveitar o momento.
FRANCISCO ( Constrangido )
Puxa amor... será?
MARIA LUIZA
Claro seu bobo.
SECRETÁRIA
Será que temos mais alguma...surpresa?
MARIA LUIZA ( Animadíssima )
Gente...to grávida! Se for menino nós vamos chamar de Benedito. Se for menina, Sebastiana.
         Abraça Francisco. Governador leva as mãos ao peito e cai morto sobre a mesa.
MARIA LUIZA
O senhor vai ser vovô papai...papai...papai...
         Silêncio. Todos olham seu corpo inerte. Duílio vai até ele, pega seu braço, levanta e o deixa cair. Ele está morto.
DUÍLIO ( Para a Secretária )
Que foi mesmo que o Getúlio Vargas escreveu na sua carta testamento?
 
                                      FIM




Textos estão protegidos pelas Leis brasileiras de Direito Autoral. É obrigatório que se solicite permissão para ser montado. Não fazê-lo será passível de ações legais. Para solicitação, falar com o autor DURVAL CUNHA  pelo e-mail: altamirando66@hotmail.com


AUTOR
Durval Cunha
FACEBOOK: https://www.facebook.com/durval.cunha.98
E-MAIL : altamirando66@hotmail.com . 

CEL:

VIVO   : 11 - 99746-2374