ADIVINHE QUEM VEIO PARA JANTAR






Textos estão protegidos pelas Leis brasileiras de Direito Autoral. É obrigatório que se solicite permissão para ser montado. Não fazê-lo será passível de ações legais. Para solicitação, falar com o autor DURVAL CUNHA  pelo e-mail: altamirando66@hotmail.com


AUTOR
Durval Cunha
FACEBOOK: https://www.facebook.com/durval.cunha.98
E-MAIL : altamirando66@hotmail.com . 

CEL:

VIVO   : 11 - 99746-2374





MONTAGENS (Clique para ampliar) :
PORTUGAL





ADIVINHE QUEM VEIO PARA JANTAR

 
PERSONAGENS:
 
PAI
JORGE FERNANDO
 
FILHOS:
DUDA  ( Filho mais velho )
SERGINHO ( Do meio )
BERENICE ( mais nova )
 
 
         Sala de estar. O telefone toca. Berenice entra em cena para atender.  Ar displicente.
        
BERENICE
 
Alô. Quem? O Serginho?! Tá sim, quem quer falar com ele? (...) Como assim amiga? Tá certo que ser amiga dele não recomenda ninguém, mas pelo menos um nome você deve ter. Ainda que de guerra (...) Como não interessa? Isso aqui não é central de recados não minha filha.  Se quiser que eu chame vá tratando de se identificar.  Não precisa ficar com medo que o telefone não está grampeado pela polícia. (...) Sou a irmã dele, por quê? Algum problema? (...) Dizer que é namorada dele também não ajuda muito. Ele tem tantas.  Aliás juntando não dá uma. Cada baranga, cada catraia, cada jaburu. (...) Ah ele só tem você?! Sei. Em coelho da páscoa e papai Noel você não acredita não , né amor? (...) Vem! Vem! Pra bater nessa cara tem que ser muito mulher! Você nem nome tem, vai ver é um travesti! Por isso não fala o nome! Deixa eu adivinhar:  Rosicley? Ariovaldo? Indalecio? (...) Que-que-cê-falou? Que-que-cê-falou? (...) Volta pra tua esquina guria,senão perde o ponto! Muda de granja porque tão botando muito hormônio no teu milho! (...) Vai você!!
 
         Bate o telefone. Serginho entra em cena.
 
SERGINHO
 
Com quem você tá falando?
 
BERENICE ( Se recompondo )
 
 
É...é uma amiga! A Aline! Ligou pra saber do trabalho de geografia.
 
SERGINHO
 
Eu estou esperando um telefonema importante, nem pense em ficar pendurada aí.
 
BERENICE
 
Telefone? Pode-se saber de quem?
 
SERGINHO
 
Da minha nova namorada. Um anjo. Tô paquerando ela a seis meses. Ela é de família religiosa, é muito reservada, não posso vacilar. A guria é um doce...
 
BERENICE
 
Aí que delícia...mousse de jiló!
 
SERGINHO
 
Que papo é esse, você nem conhece ela? Tá implicando por quê?
 
BERENICE
 
Brincadeirinha Serginho.  Se ela ligar eu te chamo rapidinho. Ligeiro-ligeiro!
 
SERGINHO
 
Na dúvida vou ficar de vigília.  Só saio daqui depois que a Geisa ligar.
 
BERENICE ( Achando graça )
 
Geisa?! É esse o nome dela?
 
SERGINHO
 
É sim. Por quê? Tá rindo de quê?
 
BERENICE ( Para si mesma )
 
Vai ver que é por isso que a pobre não quis falar.
 
SERGINHO
 
Que-que-sê-disse?
 
BERENICE
 
Não ,nada.  É que a julgar pelo nome do perfume, dá pra ter uma boa idéia da fragrância.
 
SERGINHO
 
Mas que papo é esse? Sê tá muito cheia de estória. Essa menina é muito especial pra mim, Berenice.
 
BERENICE
 
Que coisa. Não tem senso de humor?
 
SERGINHO
 
Pois vá parando desde já com suas brincadeiras.  Ela tem outro tipo de criação , pra ela é difícil entender uma mulher falando palavrão e contando piada suja.  Domingo vou trazê-la aqui.  Quero que ela se sinta em casa.
 
BERENICE
 
Ah é? Então por que você não engravida ela, assim ela vem morar aqui?
 
SERGINHO ( Indo pra cima dela )
 
Vou te mostrar as coisas de um jeito que você entende!
 
DUDA ( Entrando em cena )
 
Que-que-é-isso? Tão se pegando por quê?
 
SERGINHO
 
É essa maluca aí? Debochada!
 
BERENICE
 
Odeio homem que fica bobo por causa de mulher.  Até essa hora e a menina nem lembrou de ligar.  Com certeza esqueceu. Aposto que nem vai ligar.
 
SERGINHO
 
Escuta aqui o Berenice...
 
DUDA ( Interrompendo )
 
Chega! Chega! Vamos parar com isso. O pai chegou?
 
BERENICE
 
Ainda não.
 
DUDA
 
Ele ligou pra mim no trabalho. Coisa esquisita, disse que precisava ter uma conversa séria com a gente.
 
SERGINHO
 
Conversa séria? No mínimo essa daí aprontou das suas.
 
BERENICE
 
‘Essa daí’ uma conversa, seu baba ovo da Geisa! Vê se pode? Ela tem nome de limonada.
 
SERGINHO
 
É Gine animal!
 
BERENICE
 
Pois que seja! É mais bonito que Geisa. Soda Limonada Geisa. Ninguém ia querer beber. Só você. Bocó.
 
SERGINHO
 
O Duda vê se dá um jeito nessa daí, antes que eu perca a cabeça!
 
DUDA
 
Silêncio vocês dois. To ouvindo barulho do carro, pai deve estar chegando.
 
BERENICE ( Com a mão em concha no ouvido )
 
É ele mesmo. O que será que ele quer conversar com a gente?
 
DUDA
 
Vocês aprontaram alguma grave?
 
BERENICE
 
Claro que não Duda. Tá pensando que tem alguma criança aqui?
 
PAI ( Entrando )
 
Oi filhos. Que bom que estão os três reunidos. ( Beija Berenice na testa, depois Serginho)  O Duda já conversou com vocês?
 
BERENICE / SERGINHO
 
Já.
 
SERGINNHO
 
Qual assunto?
 
PAI
 
Bom... ( Confere as horas ) Eu convidei uma pessoa para jantar conosco hoje.
 
BERENICE
 
Aí meu Deus! Não tem nada pronto!
 
PAI
 
Não tem problema, a gente liga pra algum restaurante e pede alguma coisa. O objetivo é que essa pessoa conheça vocês. É bom que não seja nada formal.  Olhe filhos...desde que a mãe de vocês morreu ,as coisas tem sido muito difíceis pra mim. Tá certo que agora já estão crescidos e conseguem se virar sozinhos, mas ainda assim falta alguém ao meu lado pra dividir as coisas da casa. Uma companhia, enfim...é dificil falar sobre isso. Não que eu tenha deixado de amar a mãe de vocês, de forma alguma! Ela nunca vai perder  o lugar que sempre ocupou no meu coração . De qualquer forma...eu acho que chegou a hora de recomeçar novamente. Mesmo porque não demora vocês três acabam casando e eu vou ficar sozinho nessa casa. Enfim...resolvi tornar explicita essa minha relação, legitimá-la deixando-os a par de tudo.  Venho adiando a meses com a desculpa de escolher o melhor momento e o melhor momento acabou sendo o improviso. Não fazem nem três horas que decidi que tinha que ser hoje.
 
BERENICE
 
Nossa...O senhor vai arranjar uma namorada ou começar uma guerra?
 
SERGINHO
 
Cala a boca, animal!
 
    Berenice lhe mostra a língua.
 
DUDA
 
Olha pai eu sinceramente não sei se essa foi a melhor maneira. A gente foi pego de surpresa.  Eu nem sei o que pensar.
 
SERGINHO
 
Nem eu! Podia ter avisado antes.
 
PAI
 
Mas não avisei! Eu fui levado pela ansiedade. Vai ser hoje e pronto. Só em ter falado com vocês já me sinto melhor.  ( Confere as horas ) Pensem em alguma coisa pra comer.
 
BERENICE
 
Eu vou querer camarão!
 
SERGINHO
 
Aproveitadora! Camarão o quê? Camarão no quê? Camarão com quê?
 
BERENICE
 
Qualquer coisa , desde que tenha camarão!
 
SERGINHO
 
Já vem tirar vantagem da situação!
 
BERENICE
 
A ocasião é solene meu querido.  Pede uma sopinha de legumes pra você. Faz bem...tem fibra.
 
PAI
 
Não comecem vocês dois.  
 
    O telefone toca, Serginho atende.
 
DUDA
 
Nossa como o senhor está pálido. Também não é coisa do outro mundo.
 
BERENICE
 
A menos que ela seja menor de idade...e  grávida... ( Duda olha feio pra ela)
 
SERGINHO ( Ao telefone )
 
Porque sê tá chorando...
 
PAI
 
Parece simples mas não é Duda.  É complicado, tudo que altera a rotina familiar gera atrito. E não há nada no mundo que eu preze mais que o amor de vocês e paz dentro da família.
 
SERGINHO
 
O que foi Geisa...
 
         Ao ouvir esse nome , Berenice dá um passo para perto do pai com medo de Serginho.
 
DUDA
 
Eu acho que o senhor está fazendo uma tempestade num copo d’água.
 
PAI
 
Não filho, eu sei que não.
 
DUDA
 
Aqui não tem mais criança  não , pai.  E digo mais: o senhor demorou pra arranjar alguém.
 
SERGINHO
 
Mas eu só tenho você...eu só tenho você...quem foi que disse...Jaburu?! ( Olha feio para Berenice que se esconde atrás do pai ) Catraia...Baranga...
 
PAI
 
Você é um menino de ouro Duda.  Está sempre disposto a entender os outros.  Nisso você lembra muito sua mãe.
 
SERGINHO
 
Perguntou se você tinha nome de guerra...Não...não chora amor...não chora...
 
DUDA
 
É claro que as coisas vão precisar de um tempo para se acomodar.
 
PAI
 
Quem mais me preocupa é Berenice. ( Ela está atrás dele de modo que tem de girar para encará-la, enquanto ela gira também pra manter-se escondida) . Mas o que foi filha?
 
SERGINHO
 
Mandou você voltar pra granja... Sei... ( Ele apóia o telefone no ombro e vai tirando o cinto da calça ) Que mais que ela falou?
 
BERENICE (  Olhando assustada para Serginho )
 
Se-se o senhor for sair eu vou junto!
 
PAI
 
Que isso? Já está tendo crise de ciúme? Em menos de meia hora eu estou de volta.
 
SERGINHO
 
Esquina...hormônio no milho... (Com o cinto em punho ) Não, eu não vou brigar com ela...pode  acreditar, vou só falar te juro... ( Brande o cinto ) vai ser no diálogo....( Brande o cinto ) eu juro amor...não vou por a mão nela...vou sô conversar...( Brande o cinto ) No diálogo! ( Brande o cinto ) No diálogo!
 
         Desliga o telefone e parte pra cima de Berenice.  
 
SERGINHO
 
Vem cá!
 
Berenice ( saindo correndo para fora de cena )
 
Paiêêê!!
 
         Os dois , Berenice e Serginho saem de cena. Ouve-se o som de uma cintada e o grito de
Berenice.
 
PAI
 
Duda vai atrás desses dois. Parecem cão e gato! E você ainda diz que não tem criança aqui?
 
         Mais uma cintada e mais um grito.
 
DUDA ( saindo de cena )
 
Serginho!
 
PAI
 
Assim vou acabar tendo um enfarte.
 
         Berenice entra correndo e o agarra, seguida por Serginho com a cinta em punho.
 
DUDA ( Surgindo em seguida )
 
Parô! Parô!
 
PAI
 
Assim não é possível! E logo hoje vocês vão armar esse picadeiro?
 
BERENICE
 
É esse jumento aí!
 
SERGINHO
 
É essa cobra aí!
 
PAI
 
Duda, toma conta dos animais da casa até eu voltar.
 
DUDA
 
Tá certo pai.  Pode deixar. ( Toma o cinto de Serginho )
 
         O pai sai .
 
DUDA
 
Que coisa, vocês dois! Parô! Parô! Daqui a pouco a mulher vai estar aqui. Berenice ponha freio na língua. Olha o palavrão.
 
BERENICE
 
E desde quando eu falo palavrão?
 
SERGINHO
 
Bom, depois de aprender a falar ‘mamãe’, você aprendeu a falar ‘cocô’.
 
         Ela ameaça reagir,Duda a impede.
 
DUDA
 
Chega! Amanhã vocês se matam! Hoje não.... A mulher tá chegando! O que ela vai pensar da gente?
 
SERGINHO
 
Tá , tá bom...
 
BERENICE
 
E depois... quem será essa mulher? O pai falou falou e omitiu o principal.
 
DUDA
 
E vocês deram chance?
 
SERGINHO
 
Teve toda chance do mundo.  Ele não quis  falar, eu percebi. Por isso ficou todo cheio de estória. É bom a gente já ir se preparando pra ter uma surpresa desagradável.
 
DUDA
 
Ora...não diga bobagens.  Ele não falou porque não falou e pronto.
 
BERENICE
 
Sem querer concordar com o lado podre da família, mas eu tive a mesma impressão.  Meses e meses ensaiando só para apresentar a namorada?
 
SERGINHO
 
Ele está preparando o terreno porque sabe que nós não vamos gostar da novidade.
 
DUDA
 
E por que haveríamos de não gostar? Que pode ter essa mulher assim de tão ruim, de tão errado? Ainda que fosse a Dagmar...
 
         Duda para a frase no meio. Os três se entreolham parecendo esclarecer o enigma.
 
DUDA,SERGINHO,BERENICE
 
A DAGMAR!!
 
BERENICE
 
Gente só pode ser isso! Só pode ser.
 
SERGINHO
 
Aí meu Deus. Já imaginaram ter aquilo por madrasta?
 
BERENICE
 
Mas uma mulher daquelas só serve pra madrasta! Não há macho, seja de qual for a espécie, que teria aquilo como amante!
 
DUDA
 
Calma gente. Não vamos pensar no pior.
 
SERGINHO
 
Tá na cara Duda.  É ela! Claro.  Por isso todo esse palavreado, essa enrolação toda.  A Dagmar é quenem monstro de filme de terror, ele nunca aparece de cara. Tem sempre um suspense...
 
DUDA
 
Mas e se for? Nós vamos fazer o que?
 
BERENICE
 
Sabe , outro dia ...na aula de historia...
 
DUDA
 
Que tem?
 
BERENICE
 
A professora comentou com a gente que no tempo da escravidão, as negras que trabalhavam na cozinha tinham uma forma muito criativa de se vingar de seus senhores. Era o seguinte:  toda vez que preparavam a comida, elas punham uma dose  de veneno nela. Uma dose mínima, eles nem percebiam, mas que dia após dia sendo ingerida, fazia eles irem se envenenando aos poucos,bem lentamente. No final ficavam doentes e morriam sem que soubessem o por que. Por coincidência____ veja como são as coisas, as vezes o destino parece falar com a gente ____ por coincidência, nessa mesma semana eu fui na Aline e ela me falou que a casa estava empestiada de camundongo. Sabe o que eles fizeram? Compraram um veneno fortíssimo, um azulzinho parecido com açúcar colorido. Não sobrou um, a Aline falou...
 
         Berenice se cala ao perceber que os dois a olhavam perplexos.
 
BERENICE
 
Por que vocês estão me olhando desse jeito? Que-que foi? É só uma idéia ora essa!
 
DUDA
 
Não é bem esse tipo de idéia que nós estamos precisando, Berenice.
 
SERGINHO
 
Isso aqui não é uma família de Gangster minha filha. Pelo menos não ainda.
 
BERENICE
 
Vocês querem saber de uma coisa? Cansei dessa estória! ( Faz menção de sair )
 
DUDA
 
Onde você vai?
 
BERENICE
 
Na Aline.  E vou rezar pra que seja mesmo a Dagmar.  Não dou um mês e vocês vão estar me implorando pra saber o nome do veneno. Um mês! ( Já saindo ) E eu não digo!
 
         Sai.
 
DUDA
 
Cinco minutos Berenice! Cinco minutos e quero você aqui!  Será que essa doida tá falando serio?
 
SERGINHO
 
Sei lá.  E o pior... o pior é que eu...( põe a mão nas costas )  ...eu...
 
DUDA
 
Eu o quê? Desembucha logo!
 
SERGINHO
 
Eu ando sentindo uma dorzinha aqui do lado. Um colega meu disse que é o rim. De uma hora pra outra....sem mais nem menos....Você acha que eu ando brigando muito com a Berenice?
 
DUDA ( Percebendo onde ele quer chegar )
 
Serginho cala a boca. Chega de asneira por hoje.
 
SERGINHO
 
Oh só! Oh só! Eu aperto aqui e dói. Você não leva a serio, né Duda? Mas começou a doer logo depois que eu perdi o celular da Berenice. Um dia depois. ( Vai saindo de cena)
 
DUDA
 
Onde sê vai?
 
SERGINHO
 
No banheiro. Vou conferir  se a minha urina tá saindo amarela. Hoje de manhã eu mijei e ardeu. ( Sai )
 
         Tempo.
 
DUDA
 
O pai tá chegando Serginho . Vem logo. Cadê a doida da Berenice? A Aline é aqui do lado. Serginhôôô!
 
SERGINHO ( Fora de cena )
 
Já vô! Tô no banheiro.
 
DUDA
 
De novo? Não faz nem vinte minutos que você foi.
 
SERGINHO
 
É que a urina tava amarela. Então eu tomei um litro de refrigerante pra ver se clareava.
 
DUDA
 
A mulher vai achar que o resto da família tá se escondendo, vou ficar com cara de tacho! É ele mesmo, já tá entrando.  Pô Serginho vem logo!
 
SERGINHO
 
Duda! Duda!
 
DUDA
 
Que foi?
 
SERGINHO
 
Tá amarela ainda!
 
DUDA
 
Vá se Fo...
 
         Ele para a frase no meio. Pai entra em cena.
 
PAI ( Para a pessoa fora de cena )
 
Vamos entrando.  Finalmente chegou o grande dia.  
 
         Entra o personagem.  Jorge Fernando, um homem de idade próxima ao pai, talvez um pouco mais moço.
 
PAI ( Constrangido )
 
Duda esse aqui é a pessoa que eu queria apresentar a vocês. Serginho e Berenice onde estão?
 
DUDA ( Não entendendo )
 
Pensei que fosse me apresentar a sua namorada, não um amigo.
 
JORGE FERNANDO ( Estendendo-lhe a mão )
 
Muito prazer, Jorge Fernando.  Seu pai teve que omitir algumas coisas. Mas a primeira impressão que teve foi a correta.
 
DUDA
 
De jeito nenhum! Eu pensei que ia apresentar a namorada dele.
 
JORGE FERNANDO
 
Exatamente.
 
DUDA
 
Exatamente o que?
 
JORGE FERNANDO
 
A namorada de seu pai...sou eu.
 
DUDA ( Achando graça )
 
Você não pode ser a namorada do meu pai, porque você é homem.
 
JORGE FERNANDO
 
Ok...eu sou o namorado do seu pai.
 
DUDA ( IDEM )
 
Pra você ser o namorado do meu pai ele precisaria ser mulher. Aí ele seria minha mãe! Não estou entendendo...a menos...a menos...aí meu Deus...
 
PAI
 
Exatamente Duda.
 
DUDA
 
Serginhôôô!!! Corre aqui agora!!
 
SERGINHO ( Entrando em cena )
 
O que foi? Porque tá gritando?
 
         Sem conseguir responder, Duda se limita a apontar Jorge Fernando.
 
PAI ( Se antecipando )
 
Serginho esse aqui é o Jorge Fernando. ( Apertam as mãos )
 
DUDA  ( Apontando e dizendo por fim )
 
A namorada do pai...
 
SERGINHO
 
Onde?
 
DUDA ( Apontando )
 
Alí!
 
SERGINHO ( Olhando atrás de Jorge Fernando )
 
Não tem ninguém.
 
DUDA ( Quase tocando em Jorge Fernando )
 
É ele!
 
SERGINHO ( Rindo )
 
Tá doido? O cara é homem.
 
DUDA
 
Mas este é o problema! ( Senta-se com a cabeça entre as mãos )
Aí meu Deus!
 
SERGINHO ( Se aproxima do pai )
 
O Duda bebeu pai?
 
PAI
 
Não filho, não bebeu. É a pura verdade.
 
SERGINHO
 
Que ele não bebeu?
 
PAI
 
Não.  O que ele disse.
 
SERGINHO
 
Mas ele só pôs a mão na cabeça e disse : ‘Aí meu Deus!”
 
PAI
 
Antes disso.
 
SERGINHO
 
Antes disso ele apontou para o seu amigo e disse que era a namorada do senhor.
 
PAI
 
Pois então.
 
SERGINHO
 
Pois então o que?
 
PAI
 
É isso!
 
SERGINHO
 
Isso o que?
 
PAI
 
O que ele disse.
 
SERGINHO
 
Sim! Mas porque ele disse isso? O Duda bebeu pai?
 
PAI
 
Já disse que não. É a pura verdade !
 
SERGINHO
 
Que ele não bebeu?
 
PAI
 
Não! O que ele disse!
 
SERGINHO
 
E eu lá sei o que ele quis dizer com essa maluquice? Só falta o senhor apontar pro seu amigo e dizer: esse aqui é a minha namorada.
 
PAI
 
É constrangedor  dizer...  mas é exatamente isso filho.
 
SERGINHO
 
Isso o que pai?
 
DUDA ( Levantando exasperado )
 
Pelo amor de Deus, vamos parar com essa conversa! Serginho, esse aqui é a namorada do pai!!! ( Aponta ostensivamente )
 
SERGINHO ( Assustado para o pai )
 
Tá vendo pai, ele falou de novo.
 
         Duda vai até  Serginho e sussurra em seu ouvido a real condição de seu pai.
 
DUDA
 
Entendeu agora?
 
SERGINHO ( Chocado )
 
Isso é impossível! Isso não é verdade!
 
DUDA
 
Mas é!
 
SERGINHO
 
Não é!
 
DUDA
 
É!
 
SERGINHO
 
Não é!
 
PAI ( Indo até Serginho e pondo a mão em seu ombro )
 
Somos!
 
SERGINHO
 
Não pode ser! ( Caí sentado no sofá com as mãos na cabeça )
 
PAI
 
Desde o início eu disse que iria ser difícil pra vocês entenderem.
 
DUDA
 
Difícil?! Pra mim é completamente impossível!
 
JORGE FERNANDO ( Para o Pai )
 
Eles vão precisar de um tempo para se acostumar.
 
DUDA
 
Ah é? Então por que o senhor não volta daqui a dez anos?  Quem sabe  logo na entrada a gente te chame de mamãe.
 
BERENICE ( Entrando em cena )
 
Voltei! ( Da uma olhada para Jorge Fernando ) E então? A mulher já chegou?
 
DUDA
 
Já! Aliás falávamos disso nesse instante.
 
SERGINHO ( Para Berenice )
 
Você não vai acreditar...
 
PAI
 
Berenice eu queria te apresentar o Jorge Fernando.
 
BERENICE ( Apertando-lhe a mão )
 
Prazer. Pelo visto já enveredaram a mulher pelos caminhos que conduzem a cozinha. Que vergonha meu Deus. ( Vai para a cozinha )
 
PAI
 
A Berenice é um pouco geniosa. Não sei como vai reagir.
 
SERGINHO
 
Se estiver num dia normal vai cortar os pulsos. Se estiver naqueles dias, além do dela vai cortar o pulso de mais alguém.
 
DUDA
 
Ela eu não sei. Mas a vizinhança vai adorar. A nossa família vai passar a ser uma diversão garantida.
 
JORGE FERNANDO
 
Vocês não estariam sendo preconceituosos demais?
 
PAI
 
Na teoria são a favor de tudo.  Só que na prática...
 
DUDA
 
Certas práticas não encontram teorias que as defendam!
 
SERGINHO
 
Somos a favor de tudo sim! Tudo que acontece da porta pra fora. Aqui dentro não!
 
BERENICE ( Voltando a cena. Cara assustada )
 
Gente, vocês não vão acreditar...Vocês não imaginam o que aconteceu...
 
PAI ( Temeroso )
 
O que foi filha?
 
BERENICE
 
A mulher sumiu! Procurei na casa inteira e não encontrei. Ela se invocou com alguma coisa e foi embora! E não venham por a culpa em mim. Eu nem vi a cara dela! Que coisa doida...
 
SERGINHO ( Cínico )
 
Acho que você não procurou direito. Dá uma tentada aqui na sala.
 
PAI
 
Serginho por favor.  Berenice...esse aqui é o Jorge Fernando.
 
BERENICE
 
Eu sei pai, o senhor já apresentou. ( Cumprimenta-o novamente ) Tudo bom?
 
JORGE FERNANDO
 
Tudo. 
 
PAI
 
O Jorge Fernando filha é uma pessoa de minha estima, fiz questão de trazê-lo aqui hoje para apresentá-lo a vocês.  Ele tem sido um amigo, um companheiro fiel ao longo desses anos, alguém que sempre esteve ao meu lado nos momentos mais difíceis.
 
BERENICE ( Impaciente )
 
Tá bom, tá bom! Mas o senhor vai ou não vai?
 
PAI
 
Aonde filha?
 
BERENICE
 
Atrás da mulher, meu Deus! A essa altura ela deve estar a quilômetros daqui.
 
SERGINHO
 
As mulheres estão em baixa nessa casa Berenice. Ao invés de ir atrás delas, há quem tome o caminho oposto.
 
PAI
 
Nós podemos passar sem seus comentários sarcásticos seu Serginho.
 
DUDA ( Apontando para Jorge Fernando )
 
Ali está a mulher que você procura! A namorada do pai é ele!
 
BERENICE
 
O Duda bebeu pai?
 
DUDA ( Desesperado )
 
O gente burra meu Deus! Não é a toa que andam trocando lebre por gato!
 
JORGE FERNANDO
 
Eu explico. A idéia desse jantar  também foi minha e é justo arcar com o ônus dessa decisão. A pessoa com quem seu pai está se relacionando Berenice, sou eu. O termo ‘namorada’ como você pode perceber , não se aplica. Nós ,seu pai e eu, não somos ingênuos a ponto de imaginar que vocês iriam aceitar isso facilmente .  Nossa intenção não é chocar nem ofender, mas sim pô-los a par do sentimento que nos une, dessa força que muitas vezes não deixa que se saiba onde começa um e onde termina o outro. A sociedade que a gente vive tem os seus padrões, os seus  códigos de conduta e a seus olhos somos condenados implacavelmente.  A igreja vai ainda mais longe, nos condena nessa vida e na outra. Mas existe um sentimento minha cara Berenice, meus caros, um sentimento dos mais egoístas que desconhece tudo isso, que não tem regras, padrões, nem medida para aferir o que é pecado e o que não é, aliás ele não sabe nem quer saber! Esse sentimento meus amigos, não concebe  nada senão a si mesmo e não é outro senão o ‘amor’.  Sim, o amor.  Ser homem , ser mulher , para ele não tem a menor importância.  Eu e seu pai, acredite, nos amamos profundamente  e é em nome desse amor que estamos aqui hoje para pedir a sua compreenção. Como dizia aquela música: “ Dê uma chance  ao amor...”
 
         Silêncio. Todos encaram Berenice esperando que ela se pronuncie. Berenice permanece absolutamente imóvel e em silêncio, congela feito uma estátua.
 
JORGE FERNADO ( Se aproximando e tocando de leve o ombro dela )
 
Tudo bem com você?
 
BERENICE
 
Aaaaahhhh!!! ( Duda e Serginho correm para segurá-la ) Eu vou me matar!! Tenho que estar morta  e enterrada antes do pessoal do cursinho ficar sabendo!
 
PAI
 
Filha pelo amor de Deus, isso não é motivo para entrar em desespero.
 
BERENICE ( Amparada por Duda e Serginho )
 
Eu não vou suportar de vergonha! A dona Hercília meu Deus... o que ela vai dizer?
 
SERGINHO ( Para Duda )
 
Dona Hercília?! Que dona Hercília?
 
DUDA
 
Deve ser a do Mercadinho.
 
SERGINHO
 
E o que ela tem a ver com o assunto?
 
DUDA
 
Eu sei lá!
 
BERENICE
 
Ela morria de admiração pelo senhor...criando a gente sozinho...o que ela vai dizer. Que vergonha meu Deus!     
 
PAI
 
Filha fica calma filha.
 
BERENICE
 
Eu vou cortar os pulsos!
 
SERGINHO
 
Só os seus?
 
BERENICE
 
Claro seu imbecil!
 
SERGINHO ( Para Duda e largando Berenice)
 
Pode soltar que hoje ela tá calma.
 
BERENICE
 
Com tanta mulher no mundo, meu Deus! A Dagmar mesmo morre de amores pelo senhor. Não é Duda? ( Ele faz que sim ) A gente ficou tão feliz, achando que era ela que o senhor ia apresentar!
 
DUDA
 
É isso mesmo! A dona Dagmar é uma excelente pessoa! Uma pessoa que  a gente gosta, que é praticamente da família.
 
SERGINHO
 
Ela sim está a altura de ocupar o lugar que foi da nossa mãe!
 
PAI
 
A minha decisão está tomada.  Não peço a vocês que concordem, peço apenas que respeitem.
 
JORGE FERNANDO
 
Vocês são jovens, não é possível que sejam fechados dessa maneira.
 
BERENICE ( Dramática )
 
Eu quero ser cremada Duda. Prometa que não vai deixar me enterrarem?
 
DUDA ( Não levando a sério )
 
Prometo.   E as cinzas? Devo lançar ao vento sobre um jardim florido?
 
BERENICE
 
Não. Eu quero que elas sejam lançadas de um avião sobre uma floresta virgem , intocada pelo homem.
 
SERGINHO
 
Nós temos muito disso aqui! O parque do Ibirapuera tem locais onde nenhum homem pôs os pés. ( Para Duda ) A gente podia jogar ela sobre os Hibiscos.
 
BERENICE
 
Diz pra Aline pra ela não sofrer que eu vou estar melhor assim. Livre da humilhação, livre da vergonha que se abateu sobre a nossa família. ( Dá uma olhadinha para Jorge Fernando ) Digam pra Eurídice  que ela estava certa. É tudo ilusão...
 
SERGINHO ( Para Duda )
 
Quem diabos é essa Eurídice?
 
DUDA
 
Eu é que vou saber?
 
BERENICE ( Irritada )
 
É a mulher da limpeza de pele, seus burros! Nasceram nesse bairro e não conhecem ninguém !
 
SERGINHO
 
Tá legal! Mas  e esse papo de ilusão? Que-que-é-isso?
 
BERENICE
 
A vida... Não passa de uma grande ilusão...
 
SERGINHO ( Cínico )
 
Ah é, é? Então pra que limpar a pele?
 
BERENICE
 
Cala a boca, você! Ninguém tá pedindo a sua opinião!
 
         Retorna o ar dramático, vai até a estante e retira uma flor do vaso. Deita-se no sofá cerimoniosamente e fica imóvel com a flor nas mãos como se fosse uma morta.  Os outros limitam-se a observá-la em silêncio.  Após algum tempo com ela imóvel, Serginho diz.
 
SERGINHO
 
Se ela tá pretendendo morrer de velha, que vá fazer isso no quarto! Eu gosto de ver futebol na sala.
 
PAI
 
Berenice você quer acabar com isso por favor?  Será que eu não vou obter de você o mínimo de compreensão? Agora que tudo foi revelado não tem mais volta. Vocês vão ter que aprender a viver com isso. ( Encara os filhos ) Não há volta.  A ponte ruiu atrás de nós e ficamos do outro lado.  Posso contar com vocês?
 
SERGINHO
 
Pode!
 
DUDA / BERENICE  ( Berenice dá um pulo do sofá )
 
O QUÊ??
 
SERGINHO ( Tranquilo)
 
Isso que ouviram.  Não adianta discutir se existem ou não discos voadores quando tem um pousado no nosso jardim.
 
DUDA
 
Daí a convidar o ET pra fazer parte da família vai uma distância muito grande.
 
SERGINHO
 
Se não houver outro jeito, é isso mesmo que devemos fazer.
 
BERENICE
 
Eu vou quebrar a cara desse miserável! ( Joga a flor nele )Seu traidor! Judas!  ( Duda a segura)
 
SERGINHO
 
O senhor Jorge Fernando veio jantar conosco e é exatamente o que vai acontecer.  E você Berenice vai ficar encarregada de preparar o jantar. Sem essa coisa impessoal de pedir a comida num restaurante.  Vai ser uma coisa simples, preparada meio as pressas, mas será uma comida caseira e feita de coração.
 
BERENICE ( Furiosa )
 
Prefiro cortar seu pescoço! Me larga Duda! Me larga!  ( Duda a segura mais forte ainda )  Vou te cortar em pedaços bem pequenos , aí eu frito e faço ‘rato a passarinho’ !!
 
SERGINHO ( Se aproxima de Berenice )
 
Tenho certeza que seu ‘tempero’ pode operar milagres.
 
BERENICE ( Parando bruscamente )
 
Meu...’tempero’ ?
 
SERGINHO ( Maquiavélico )
 
Exatamente!
 
BERENICE ( Soltando-se de Duda e assumindo o mesmo ar tranquilo de Serginho )
 
Pensando bem eu acho que você tem razão. Afinal o que o senhor Jorge Fernando vai pensar de nós?
 
SERGINHO
 
Na certa vai achar que somos uma família de gangsters.
 
DUDA ( Percebendo onde eles querem chegar )
 
Que horror...
 
BERENICE (  Para Jorge Fernando )
 
Vou fazer um macarrão ao forno que o senhor vai adorar.
 
SERGINHO
 
A comida , com certeza, vai levá-lo a outro mundo.
 
BERENICE
 
Que isso Serginho...assim eu fico até encabulada.
 
SERGINHO
 
Fazemos questão de tê-lo pra jantar todos os dias por um período de no mínimo... ( Olha para Berenice ) Um ano.
 
BERENICE
 
Seis meses!
 
SERGINHO
 
Seis meses?!
 
BERENICE
 
É que vou carregar um pouco no tempero.
 
         Serginho abre um longo sorriso.
 
PAI ( Estranhando a mudança )
 
Bem...sendo assim eu fico feliz que tenham mudado de opinião.
 
JORGE FERNANDO
 
Eu também. É surpreendente a capacidade que a juventude tem de reavaliar as suas posições.
 
PAI
 
Pois é.  E numa velocidade...
 
BERENICE
 
Sendo assim eu preciso ir no mercado.
 
PAI
 
Mercado?! Pra quê? Tem tudo aqui.
 
SERGINHO
 
Pra comprar condimentos! Posso ir com você maninha?
 
BERENICE
 
Claro fofo.  Vou adorar  a companhia do meu maninho querido.  O Duda faz sala pra vocês até a gente voltar.
 
JORGE FERNANDO
 
Puxa, mas não vejo a necessidade de tanto incômodo, a gente podia pedir alguma coisa pelo telefone.
 
BERENICE
 
De jeito nenhum! Faço questão que o senhor prove a especialidade da casa. Prove  do meu tempero.  Vamos Serginho?
 
DUDA ( Indo de encontro a eles como que impedindo-os de passar )
 
Nãão!!!  Vocês enlouqueceram? Querem ir parar na cadeia??
 
JORGE FERNANDO ( Para o pai )Cadeia?! Meu Deus a menina cozinha tão mau assim?
 
DUDA
 
Me dêem cinco minutos pra falar com esses dois! É só isso que eu peço!
 
PAI ( Confuso )
 
Mas o que está havendo aqui afinal?
 
DUDA
 
Nada! Cinco minutos! Dêem uma volta de carro pelo bairro, depois vocês voltam.
 
PAI
Tudo bem. É melhor, assim vocês podem conversar e refletir. Daqui a  cinco minutos voltamos.
 
         Saem de cena.
 
DUDA
 
Vocês enlouqueceram? No que se transformou a nossa família? Num reduto de assassinos?
 
BERENICE
 
A Aline sim é que tá certa. Está coberta de razão.
 
SERGINHO ( Para Duda)
 
Pelos menos a Aline a gente sabe quem é. Está coberta de razão no que?
 
BERENICE
 
Ela sempre diz que os homens deviam ficar com os homens e as mulheres com as mulheres.
 
         Os dois se espantam.
 
DUDA
 
Deus do céu,a Aline disse isso?
 
BERENICE
 
Disse. Ela tem o maior orgulho de nunca ter sido beijada por um homem.
 
DUDA ( Olhando espantado para Serginho )
 
Ué?! Se ela nunca foi beijada por um homem, foi beijada pelo que então?
 
BERENICE
 
Por mulher, é claro.
 
DUDA ( Horrorizado )
 
Pois você está proibida de ver essa menina! E aqui ela não põe mais os pés! Esse mundo tá perdido. Onde nós vamos parar? ( Para Serginho ) Temos que arranjar urgente uma mãe de santo! Essa casa tá macumbada!
 
BERENICE
 
E tem mais uma coisa....Como hoje é o dia das revelações, vou fazer as minhas... Nós estamos namorando,a Aline e eu. A gente se gosta.  Ela foi a coisa mais maravilhosa que podia ter me acontecido. Nos amamos profundamente .
 
         Os dois, Duda e Serginho ficam boquiabertos por alguns instantes, em seguida Duda vai em direção a Berenice. Ela se encolhe temendo ser agredida. Duda passa direto por ela e agarra Serginho pela camisa.
 
SERGINHO ( Assustado )
 
Que isso cara?
 
DUDA ( Segurando-o energicamente )
 
Olha pra mim! Olha pra mim canalha!
 
SERGINHO ( Quase pendurado pelo pescoço )
 
Tô olhando! Tô olhando!
 
DUDA
 
Nos meus olhos! Bem no fundo dos meus olhos!
 
SERGINHO
 
Tô olhando! Tô olhando!
 
DUDA
 
Agora me responde! E não minta pra mim canalha! Você é viado??
 
SERGINHO
 
Claro que não cara. Ficou maluco?
 
DUDA
 
Jura?
 
SERGINHO
 
Juro!
 
DUDA ( Tomado por enorme alívio )
 
Graças a Deus!!
 
         Abraça Serginho e o beija na testa com os pais fazem com os filhos pequenos.
 
DUDA ( Aflito)
 
Me ouve meu irmão.  Me ouve.  Mulher é bom.  Mulher é legal. Mulher tem bundinha, tem tetinha, tem chaninha... Elas vão te elevar aos céus...Tudo bem, elas vão te levar pro inferno depois, mas não esquenta! É assim mesmo! Mulher nem sempre vale a pena mas a gente não deve desistir delas! Nunca! Mulher é a coisa mais maravilhosa que Deus podia ter criado.
 
BERENICE
 
Também acho.
 
DUDA ( Irado)
 
Cala a boca, não estou falando com você! ( Para Serginho ) Haja o que houver, chova ou faça sol, mesmo debaixo das maiores punições e debaixo das mais terríveis torturas; nunca, nunca, desistas de ser macho! E leve para o túmulo essa determinação!
 
BERENICE
 
Quanta pretensão, meu Deus.
 
DUDA ( Partindo pra cima dela. Tira o cinto e segue com ele em punho ameaçando Berenice)
 
Vou dar umas porradas nessa guria!
 
         Berenice corre pelo palco perseguida por ele de cinto em punho. Serginho o segura.
 
BERENICE
 
Homem das cavernas! Troglodita!
 
DUDA
 
Traidora! Cobra! E ainda teve a cara de pau de dizer que ia  cortar os pulsos! Que tinha de estar morta e enterrada antes do pessoal do cursinho saber... Falsa!  Critica os outros enquanto bebe água na mesma fonte!
 
BERENICE
 
Pera aí, você não vai querer comparar a Aline com esse Jorge Fernando!
 
DUDA
 
São as versões opostas de um mesmo pecado!
 
BERENICE
 
Não tem nada a ver uma coisa com outra! Entre mim e a Aline existe uma estória de amor!
 
DUDA
 
E entre o pai e o Jorge Fernando?
 
BERENICE
 
Uma perversão sexual!  Uma abominação!
 
DUDA ( Se soltando de Serginho e correndo atrás dela)
 
Eu vou dar nela! Eu vou dar nela!
 
PAI ( Entrando em cena e tirando a cinta das mãos de Duda)
 
Duda o que é isso? Até você?
 
DUDA
 
Chegou em muito boa hora pai! Em muito boa hora.
 
SERGINHO ( Desanimado )
 
Não adianta resistir Duda . Eles são três e nós apenas dois... Nessa casa as minorias são maioria....
 
PAI
 
Que estória é essa?
 
DUDA
 
Serginho liga pra Aline e convida ela pra jantar com a gente também. Ela reúne todos os requisitos para beber da nossa água e comer do nosso feijão!
 
PAI ( Não entendendo nada )
 
Mas que conversa é essa? O que está se passando aqui afinal de contas?
 
BERENICE
 
Eu explico.  A Aline e eu estamos namorando.  ( Dramática )  Nós nos amamos.  Profundamente.  Da forma como só uma mulher pode amar outra.  Do fundo de nossas almas.  E já que hoje é o dia das revelações, eu queria comunicar a vocês que a Aline e eu vamos nos casar numa igreja alternativa e constituir família.  Ela na qualidade de marido e eu na qualidade de mulher...depois a gente troca...
 
DUDA ( Sarcástico )
 
Então pai? Gostou da novidade?
 
         Pai fica paralisado por alguns instantes, enquanto os outros o observam aguardando sua reação.
 
PAI ( Erguendo alto o cinto )
 
Pouca vergonha! ( Corre atrás de Berenice. Os outros tentam segurá-lo ) Eu vou acabar na chibata com essa safadeza! Com essa sem-vergonhice! Filha minha não vai se entregar a libidinagem! Filha minha não vai virar sapatão!! Vai ter que me matar primeiro! Só passando por cima do meu cadáver!!
 
          Pai é seguro por Duda, Serginho e Jorge Fernando.
 
PAI ( Desesperado )
 
Esse mundo tá perdido! Onde é que nós vamos parar? E a moral? O que vai ser da família brasileira, meu Deus??   A família brasileira....
 
 
 
FIM
 .








Textos estão protegidos pelas Leis brasileiras de Direito Autoral. É obrigatório que se solicite permissão para ser montado. Não fazê-lo será passível de ações legais. Para solicitação, falar com o autor DURVAL CUNHA  pelo e-mail: altamirando66@hotmail.com


AUTOR
Durval Cunha
FACEBOOK: https://www.facebook.com/durval.cunha.98
E-MAIL : altamirando66@hotmail.com . 

CEL:

VIVO   : 11 - 99746-2374